PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO

POR: NINO SEVERIANO

INTRODUÇÃO

Surgimento ↔ Aplicação ↔ Evolução.

CONCEITUAÇÃO

Um dos Princípios Gerais do Treinamento Desportivo

Periodizar – Dividir em períodos, expor em tempos (Aurélio)

Divisão temporal e estrutural do processo de treinamento (Matveiev, 1981)

OBJETIVOS:

Preparar o atleta para:

Conseguir os melhores resultados.

As principais competições do ano.

Atingir sua melhor forma na competição mais importante.

AS FASES DO DESENVOLVIMENTO DA FORMA DESPORTIVA COMO BASE NATURAL DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO

Forma desportiva: Estado de pré-disposição ótima (a melhor) para a obtenção de elevados resultados desportivos, devido a uma correspondente preparação em cada novo escalão do aperfeiçoamento desportivo (Matveiev, 1981). É alcançada fisicamente e não é mantida no mesmo nível, no entanto, de ano para ano, os níveis alcançados podem ser melhorados.

FASES DE AQUISIÇÃO:

Compreende a formação e desenvolvimento das premissas da forma desportiva e sua consecução imediata.

Elevação do nível geral das possibilidades funcionais do organismo, desenvolvimento múltiplo das qualidades físicas e volitivas do desportista, formação dos hábitos e destrezas motoras (novos elementos da técnica e da tática).

Na Segunda metade: Elevação do nível de treinamento especial, desenvolvimento das qualidades de caráter específico, incremento do aperfeiçoamento da técnica e tática correspondentes.

MANUTENÇÃO (Estabilização relativa):

Caracteriza-se pela manutenção das condições ótimas > bons resultados.

Reduz-se o grau das reestruturações biológicas, porém ainda transcorre o aperfeiçoamento posterior > Resultados desportivos.

PERDA TEMPORÁRIA DA FORMA DESPORTIVA:

Caracteriza-se pela redução da readaptação de diversos aspectos do nível de treinamento, > Incremento de certos momentos de assimilação dos processos metabólicos plásticos.

PERÍODOS DO PROCESSO DE TREINAMENTO

Forma Desportiva (fases): influências do treinamento, cujo caráter varia com a fase de desenvolvimento da forma > PERÍODOS.

Fase da Forma Desportiva: Relativas ao processo biológico.

Períodos do Treinamento: Relativo a um processo pedagógico.

Assim: Os períodos são intervalos sucessivos de desenvolvimento da forma desportiva.

PERÍODO DE PREPARAÇÃO

Cria as premissas e condições para a aquisição da forma desportiva.

Objetiva: Preparação básica. O desenvolvimento da performance de competição (forma desportiva).

PERÍODO DE COMPETIÇÃO

Assegura a manutenção da forma desportiva e se aplica na obtenção de êxitos desportivos.

Objetiva: Apuramento da forma mediante a participação em competições, alcançando a melhor performance possível.

PERÍODO DE TRANSIÇÃO

Surge em função da necessidade de descanso ativo, evita o strain e garante a sucessão dos escalões do aperfeiçoamento desportivo (repouso ativo).

Objetiva: A prevenção para o sobretreinamento, a regeneração física e psíquica e a manutenção em parte do estado de treinamento.

CONTEÚDO E ESTRUTURA DO TREINAMENTO > PERÍODO DO TREINAMENTO

FASES DA FORMA DESPORTIVA

PERIODIZAÇÃO E CICLO

Periodização simples ou anual.

Periodização dupla ou semestral.

Dependência: Idade, nível do atleta, modalidade e situação específica.

DURAÇÃO DOS PERÍODOS

Orientação (Desportistas qualificados)

Preparatório > 3,5 / 4 até 5 / 7 meses.

Competição > 1,5 / 2 até 4 / 5 meses.

Transição > 3 / 4 semanas até 6 semanas.

FATORES RELATIVOS AO DIRECIONAMENTO DO TREINAMENTO

TIPOS DE EXERCÍCIOS

Gerais: Carga Global > musculatura e organismo.

Especiais: Características e capacidades típicas da modalidade.

Competição: Aceleração no processo de adaptação física e psíquica. Forma complexa de treinamento.

RELAÇÃO VOLUME X INTENSIDADE DE TREINAMENTO (IT)

Em cada período > significado especial.

Em geral > IT deve aumentar gradativamente até o início do período de competição e manter-se alta, e o volume aumentam até aproximadamente até a metade do período preparatório e depois tente diminuir.

ESTRUTURA CÍCLICA DO TREINAMENTO

MEGACICLO, MACROCICLO, MESOCICLO, MICROCICLO.

MEGACICLO

Envolve toda a vida do atleta; dura de 8 – 10 anos adiante. Está constituído por um conjunto de macrociclos; denomina-se de base; de máxima possibilidade e de lastro desportivo (longevidade desportiva).

MACROCICLO

Busca a obtenção da Forma Desportiva. Está constituído por um conjunto de Mesociclos. É a grande onda do treinamento, caracterizada pela tendência geral das ondas médias nos períodos de treinamento. Sua duração pode ser de 4 à 6 meses, até 1 à 2 anos. Ciclo trimestral, semestral ou anual de treinamento.

MESOCICLO

São etapas relativamente definidas do processo de treinamento. Sua duração varia entre 3 a 6 semanas. Está constituído pela união de vários Microciclos. Composto normalmente de 4 microciclos, sendo que um deles mais intenso que os outros três. Assim, o primeiro microciclos tem cargas leves, no segundo a carga aumenta e no terceiro alcança seu máximo. No quarto há uma diminuição da carga para o nível do segundo. Com esta carga inicia-se outro ciclo. A utilização dos Mesociclos pode ser das seguintes formas:

ENTRADAS

Utilizado ao iniciar-se processos de esportes de grandes ciclos.

BÁSICOS

Tipo principal do Período de Preparação. Podem ser de Preparação Geral e/ou Especial. São estruturados por meio dos Mesociclos.

BÁSICO DE DESENVOLVIMENTO

Caracterizam-se por um aumento da carga do Esporte. Busca-se o aumento das capacidades funcionais dos sistemas principais; a preparação da técnica e a preparação mental. Alternam-se com os estabilizadores, a seguir.

BÁSICOS ESTABILIZADORES

Caracterizados pela interrupção temporal do aumento da carga, para permitir a adaptação às exigências do Esporte.

DE CONTROLE

Representam uma etapa de transição entre os Mesociclos Básicos e Competitivos. Servem para descobrir deficiências técnicas e táticas.

PRÉ-COMPETITIVO

Utilizados para colocar em ponto o atleta. São próximos a uma competição principal. Caracterizados por trabalhos de preparação específica simulando ao atleta a situação de competição.

COMPETITIVOS

Coincidem com as competições fundamentais. Respeitam horas e situações diretas de competições.

DE RESTABELECIMENTO OU MANUTENÇÃO

São de carga suave. Utilizados em períodos de competições longas. São denominados de intermédios. Utilizados também na transição de um ciclo a outro.

PREPARATÓRIOS DE RESTABELECIMENTO

São similares aos Básicos, mas com muitos Microciclos de restabelecimento.

CARACTERÍSTICAS:

Desenvolvimento conjunto do volume e intensidade do esforço

Relação carga repouso é balanceada em termos semanais – A semana de alta carga sucede semana com menos carga > De forma a permitir relativa alta carga durante longo tempo e relativa baixa carga durante curto tempo.

MICROCICLO

É um grupo de unidades de treinamento organizado de tal forma que o ótimo valor de treinamento pode ser obtido em cada unidade. Barbante, 1978.

É um conjunto de atividades e constituem a unidade do treinamento. São as ondas pequenas do treinamento. Dura em geral de uma semana (2 a 7 dias – 1 semana ), com solicitações variadas em termos de Qualidade de Treinamento, variando também a estrutura de esforço

(intensidade e volume) no seu curso. Os Microciclos subdividem-se das seguintes formas:

GRADUAIS OU CORRENTES

Preparam o organismo para responder aos trabalhos de treinamento. Tem um baixo nível de incitação. Caracterizam-se por um volume considerável e o nível limitado de intensidade (Quantidade de trabalho). É utilizado no período preparatório, principalmente no Geral e também em alguns, no Especial.

DE CHOQUE

Caracterizam-se por um grande volume global de trabalho e um elevado nível de incitação. Tem como finalidade estimular os processos de adaptação do organismo. Caracterizado pelo aumento de intensidade. Utilizado no Período Preparatório Especial.

DE ACERCAMENTO OU DE APROXIMAÇÃO

Utilizado na preparação do atleta com relação às situações e condições de competição. Modelam regimes e programas de competição. Seu conteúdo é variado, e estão relacionados às etapas de preparação do atleta.

DE RECUPERAÇÃO OU DE RESTABELECIMENTO

Utilizado ao final de uma série de Microciclos de Choque ou ao final do período de competição. São destinados a assegurar o desenvolvimento ótimo dos processos de recuperação. Exercem um grau débil/baixo de incitação (descanso ativo).

DE COMPETIÇÃO

Conformam-se de acordo ao programa de futuras competições, tendo em conta o número de partidas/torneios, e a duração dos intervalos que os separam. Buscam-se atuações regulamentares, em dias, horas, da própria competição. Tem-se em conta o Tapering off (diminuição global) da carga de treinamento.

FUNDAMENTA-SE NA RELAÇÃO ESFORÇO (CARGA) E RECUPERAÇÃO.

Sua construção é influenciada:

Pela particularidade da modalidade esportiva (necessidades).

Pela etapa do processo de treinamento em longo prazo > Qualificação do atleta: Período da periodização.

Pelo objetivo específico do treinamento.

Pela capacidade individual de recuperação > Estado de treinamento e

Pelas condições para o treinamento.

NORMAS BÁSICAS PARA COMPOSIÇÃO DOS MICROCICLOS

As cargas devem ser estabelecidas de modo a permitir o processo de recuperação do atleta, independentemente do número de sessões de treinamento. Os conteúdos estabelecidos devem ser estabelecidos sem que haja monotonia, ou seja, saturação psíquica.

Ordenar os objetivos e conteúdos das sessões de treinamento de modo que as exigências de coordenação, velocidade, força rápida e máxima ocorram quando a capacidade de rendimento se encontre em um ponto alto. Colocar o treino forte no meio e no fim da semana > evitar que o atleta comece a semana com um cansaço acumulado.

ESTRUTURA DO CICLO ANUAL DE TREINAMENTO

Datas das competições fundamentais e secundárias (calendários de torneios e datas dos eventos). Data de iniciação e finalização de cada período. Data dos controles médicos e provas de eficiência física e técnica (testes de laboratório e de campo).

Meios de controles (testes) e normas a aplicar.

Estrutura do ciclo de preparação (número e tipos de etapas por períodos – Mesociclos).

Distribuição das cargas de treinamento em cada período e etapas.

Freqüência de treinamento por semana, por meses, etc.

Número de sessões de treinamento, semanais, para cada capacidade (ondas pequenas – Microciclos).

Acentos diários, semanais, mensais, etc. (planos operativos).

Conteúdos da preparação (seleção dos meios, métodos e sistemas de treinamentos a utilizar por períodos, etapas, etc.).

Outros (aspectos da vida do atleta – estudo, trabalho, etc.).

UNIDADE DE TREINAMENTO

É a menor fração do Processo de Treinamento. A estrutura da Unidade de Treinamento depende de:

Objetivos e conteúdo da sessão.

Utilização das fontes energéticas.

Especificidade das diferentes modalidades esportivas.

Na primeira parte são utilizados os exercícios que necessitam para a sua execução de uma recuperação completa e estado psicofísico repousado. Ex. coordenação, velocidade, força explosão e força máxima.

Na segunda parte são utilizados os exercícios que não necessitam para a sua execução de plena recuperação do organismo. Ex. exercícios de resistência, resistência de velocidade e de força. Na terceira etapa são aplicados os exercícios que podem ser executados em condições de estado psicofísico desgastado e sem a recuperação do organismo. Ex. resistência aeróbica.

COMBINAÇÕES MAIS FREQÜENTES:

VELOCIDADE + RESISTÊNCIA ANAERÓBICA

FORÇA MÁXIMA (Explosiva) + VELOCIDADE

RESISTÊNCIA ANAERÓBICA + RESISTÊNCIA AERÓBICA

FORÇA MÁXIMA (Explosiva) + RESISTÊNCIA DE FORÇA

TÉCNICA + OUTRAS QUALIDADES FÍSICAS

DEFINIÇÃO DE ESPORTE OU PROVA

Quando um jogo segue formas corretas de jogar e regra oficial é chamada de desporto (TEIXEIRA, 1995).

O desporto é alimentado pelo espírito de competição, onde o objetivo é a vitória justa e honesta, nas disputas cria situações onde os indivíduos são estimulados a se superar para conseguir o sucesso desejado.

As regras que o desporto obedece são as mesmas em todos os lugares e são determinadas por federações desportivas, e denominadas regras oficiais.

HISTÓRICO DA PREPARAÇÃO FÍSICA PARA O FUTEBOL DE CAMPO

  A preparação física no futebol é um dos fatores que mais evoluiu nas últimas décadas e continua evoluindo. O conhecimento do condicionamento físico para o futebol é de vital importância para o sucesso de uma equipe dentro de uma competição.

    Os primeiros indícios de treinamento físico no Brasil datam do início do século passado, por volta de 1904. As equipes paulistas tentaram substituir os treinamentos que reproduziam partidas, por outros tipos de treinamentos. O motivo inicial talvez tenha sido a dificuldade de se encontrarem atletas para realização desses treinos. O emprego de exercícios de condicionamento físico, como corridas de 100, 200, 400 e 800 metros, além de luta romana, ginástica alemã e halteres, passou a ser rotina entre as equipes. O importante a ser ressaltado era a preocupação com a força e não com a velocidade dos atletas (SANTOS NETO, 2000).

    Finalmente, a primeira atuação de um preparador físico ocorreu na Copa do Mundo de 1954, com a presença em algumas seleções de um elemento junto ao técnico, com a finalidade de dirigir as atividades físicas da equipe (BARROS, 1990).

  Na Seleção Brasileira, em 1958, a CBD (Confederação Brasileira de Desportos) convidou um professor, ex-jogador de futebol que exercia a função de treinador em um clube do Rio de Janeiro, para auxiliar o técnico da Seleção. Foi, portanto, o primeiro preparador físico no Brasil. Com o resultado no mundial, surgiram os primeiros preparadores físicos nos clubes. Nessa época, havia o conceito de que o preparador físico deveria ser um homem forte, de hábitos rudes, e que deveria exigir o máximo dos jogadores em atividades estafantes, nas quais não se verificavam os aspectos científicos do treinamento físico. Imperava no Brasil a fase de preparadores físicos militares. Coronéis, majores, capitães, tenentes, sargentos ou até mesmo policiais civis proliferavam nos clubes. Essa fase durou por muitos anos e acarretou sérios problemas entre jogadores e militares (BARROS, 1990).

A importância de um profissional capacitado nos clubes é fundamental. O preparador físico deve estar presente em todas as categorias e não somente na categoria profissional, pois existem intensidades e cargas diferentes para cada faixa etária.

    Hoje o aspecto científico do treinamento físico está muito desenvolvido. Os profissionais se especializam cada vez mais utilizando computadores e os mais variados aparelhos eletrônicos possíveis, para determinar o nível de condicionamento e a evolução dos atletas. Portanto, percebe-se que a preparação física evoluiu de tal maneira que seria impensável a falta de um profissional especializado em treinamento físico integrando a comissão técnica de uma equipe.

Segundo TEIXEIRA, (1995), é um esporte coletivo, onde desenvolvem a personalidade, exige uma melhor preparação psicológica para aumentar a autoconfiança e a segurança necessária para um melhor desempenho individual. O atletismo é considerado o desporto de base suas modalidade englobam movimentos necessários a todos os desportos atléticos.

A CORRIDA:

Uma das formas mais primitivas de exercício surgido da necessidade dos homens primitivos de andar mais depressa para fugir de alguns perigos ou perseguir a caça.

CORRIDA DE FUNDO E MEIO FUNDO:

CLASSIFICAÇÃO DA PROVA:

Prova Atlética realizada dentro de uma pista; é classificada como prova cíclica.

SOLICITAÇÃO DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS:

A pratica regular da corrida aumenta a capacidade respiratória, melhora a circulação sanguínea e aumenta a força muscular.

Na corrida ultiliza-se de resistência anaeróbica e aeróbica, com um predomínio na resistência aeróbia.

FATORES FÍSICOS PREDOMINANTES:

A corrida de pequenos percursos, o mais importante é a velocidade do atleta, não exige muita resistência, as de longos percursos exigem principalmente de resistência. Corrida de fundo e meio fundo refere-se: Velocidade de deslocamento; Coordenação; Ritmo; Resistência muscular localizada nos membros inferiores; Flexibilidade Descontração diferencial, Descontração total. (TUBINO, 1979).

TÉCNICA E TÁTICA:

Partida: Em que o Atleta procura ganhar impulsos para chegar mais rapidamente a sua melhor velocidade.

Percurso: Em que o atleta procura manter a velocidade.

Chegada: Em que o Atleta cruze a linha de chegada.

Nas provas de resistência os atletas saem de pé, Logo após a partida ao iniciar o percurso, o corredor aumenta gradativamente suas passadas atingindo o máximo de sua velocidade, o corredor então preocupa se em manter essa velocidade com amplos movimentos dos braços.

FATORES PSICOLOGICO:

A concentração é um preparo mental de fundamental importância para a prova de corrida, através da concentração o atleta fará com que os músculos trabalhem em conjunto com a mente e o sentidos realizando movimentos mais perfeitos.

O atleta deve concentrar se quando for realizar a prova, antes da realização de uma corrida ele deve visualizar-se correndo perfeitamente e chegando e primeiro lugar; com essas observações ele vai organizar os movimentos, adquirindo mais coordenação e isto lhe Dara segurança necessária para se aperfeiçoar constantemente. (TEIXEIRA, 1995).

QUALIDADES FÍSICAS:

BARANOV, (1972), identificou para corridas de meio de fundo as seguintes qualidades físicas especificas: resistência aeróbica; resistência anaeróbica; velocidade e força explosiva.

A fase de preparação física especifica exerce uma influência muito determinada, contribuindo para o desenvolvimento das funções vegetativas e motoras do atleta, com ênfase nas qualidades físicas específica da modalidade esportiva.

(TUBINO, 1979).

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE TREINAMENTO PARA CORREDORES

Como preparar um corredor de meio-fundo? Primeiramente deve deixar bem claro, que na preparação de um corredor de meio-fundo é a parte aeróbica. Antes de lançar o atleta no treinamento específico para as provas de meio-fundo, trabalha por cerca de dois anos o seu lastro aeróbico, correr fácil para depois correr forte, esse é o lema. A base aeróbia visa também condicionar o corredor de meio-fundo para quando ele subir de prova, não sentir o efeito psicológico das distâncias mais longas.

Essa primeira fase consiste principalmente em trabalhos de endurance, longos e lentos onde procura trabalhar a parte psicológica do atleta, a paciência para se correr lento por muito tempo, corrigir a postura, trabalhos de força natural (montanha, areia, cross, circuitos).

Após esses dois anos basicamente aeróbicos, passa-se a segunda fase onde o atleta está pronto para o treinamento específico, que consiste em três fases: base, intermediário e de polimento, ou competitivo.

A primeira fase (base) que vai de Novembro a Março, consiste no trabalho de maratoniano, o mínimo de 140 a 180 km/semana.

Novembro – mês totalmente composto de corridas longas.
Dezembro – corridas longas intercaladas de sessões de fartlek.
Janeiro – longos, fartlek, cross e circuitos.
Fevereiro – corridas em montanha, dunas, fartlek e circuitos.
Março – transição da base para o treino intermediário, onde o atleta terá uma sessão por semana na pista do atletismo.

Segunda fase (intermediária) que compreende os meses de Abril e Maio. A quilometragem semanal dessa fase cai para cerca de 120 a 140km/semana.

Abril – duas sessões por semana na pista com repetições basicamente aeróbicas.
Maio – duas sessões por semana na pista de repetições, sendo uma
anaeróbica e outra aeróbica.

Terceira fase (competitiva) que vai dos meses de Junho a Setembro. A quilometragem semanal deverá ficar em torno de 100km/semana.

SESSÃO DE TREINO NA FASE COMPETITIVA PARA CORREDOR DE MEIO FUNDO, EXEMPLO DE UMA SEMANA:

Segunda-feira – manhã – 12km 80% do esforço.
Tarde – 40 minutos de grama.

Terça-feira – manhã – repetições totalmente lácticas.
Tarde – 40 minutos de grama.

Quarta-feira– manhã – 16km 50% do esforço.
Tarde – 40 minutos de grama.

Quinta-feira– manhã – repetições intermediárias entre aeróbicas e lácticas.
Tarde – 40 minutos de grama.

Sexta-feira– manhã – 8km 90% do esforço.
Tarde – 40 minutos de grama.

Sábado – manhã – repetições de ritmo (aeróbicas).

Domingo – manhã – 60 minutos de corrida de relaxamento na grama.

Observação: Entre as fases aplica-se uma semana de treino relax.

Depois da forma física ter sido atingida o atleta deve compreender que o treino duro foi completado, que só treino de manutenção e competições devem seguir-se até o final da temporada, com todos os esforços e concentração voltados para as competições. Muitos técnicos e atletas cometem o erro de continuar a treinar duramente depois de ter atingido a forma máxima. Os treinos do dia seguintes às competições devem ser trotes com fins de recuperação.

Preparação para corredores de fundo

Corredor de fundo, Nas corridas de longas distâncias a maior virtude é a paciência. Então a recomendação aos atletas é que não corra forte antes de poder correr fácil. O nome já diz corrida de resistência, então quanto mais quilometragem melhor.
Como foi abordado sobre treinamento de corredores de meio-fundo, o desenvolvimento completo de um corredor de fundo se baseia na mesma premissa, muitos e muitos anos de treinamento para se atingir o máximo do rendimento, nada mais que o óbvio.

A programação consiste em três fases, isto é:

1 – Período de base – Compreende 4 meses, sendo as 4 primeiras semanas basicamente de corridas longas em ritmo lento “endurance”, as 8 semanas seguintes da-se ênfase ao trabalho de força natural, ou seja, corridas em montanhas ou dunas de areia e cross-country, nas 4 semanas restantes passa-se ao treinamento variado que consiste de “Fartlek”, corridas longas e lentas e corridas curtas em ritmo forte a 85% de esforço. A quilometragem atribuída a essa fase do treinamento, deverá obedecer ao lastro dos anos de treinamento de cada atleta.
2 – Período de pré-competição – Compreende 3 meses, onde se introduz o “Interval-training” duas vezes por semana mesclado com trabalho de força, técnica e resistência.
3 – Período de competição– Treinamento de manutenção, não se descuidando das regras básicas para o corredor de fundo, ou seja, resistência, força e velocidade. Foi-se o tempo que para o fundista o primordial era só a resistência, hoje vemos corredores que competem em provas que vão dos 800 metros aos 10.000 metros com a mesma desenvoltura – exemplos clássicos: Said Aoita, campeão olímpico dos 5.000 metros (84) e medalha de bronze nos 800 metros (88).

REFERÊNCIAS:

BARBANTI, V.J. Teoria e Prática do Treinamento Desportivo. São Paulo. Editora USP, 1996.

BRACHT, V. Educação Física e Aprendizagem Social. Porto Alegre. Magister, 1992.

BARANOV, Errores EM El Entreinamiento de los Médio Fundistas Soviéticos Novidades em Atletismo, Centro de documentacion e informacion, Instituto Nacional de Educacion Física y Desportes, nº 1,21-26; Madri, 1972.

HEGEDUS, J de –Teoria General y Especial Del Entreinamiento Deportivo; Editorial Stadium,Buenos Aires, 1973.

LYDIARD, Arthur. Running to the top. Editora Meyer & Meyer Sport, 1995.

SILVA, E.A.V. Esportes e Atividades Físicas. Rio de Janeiro. Guavira, 1997.Silva, V. F. Avaliação Qualitativa em Educação Física. SPRINT. Rio de Janeiro, 1990.

TEIXEIRA, Hudson Ventura. Educação Física e Desporto; Editora Saraiva, 1º Ed. 1995.

TUBINO, Manoel José Gomes. Metodologia Científica do Treinamento Desportivo; Editora Lisa, 1º Ed. 1979.

TUBINO, M.G. Valências Físicas. Editora Brasiliense. Rio de Janeiro, 1990

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s